X hits on this document

121 views

0 shares

0 downloads

0 comments

17 / 35

Introdução à Ergonomia Página 17 Prof. Mario Cesar Vidal

gem e mais recentemente no pessoal de escritório. As inadequações fisiológicas agravam e am- pliam os problemas de inadequação antropométrica já aludidos.

Finalmente este organismo músculo-esquelético e dotado de um sistema de transforma- ção de energia, um metabolismo interage com o ambiente em que se encontra realizando uma homeostase, suando no caso de temperaturas elevadas, sentindo odores e sabores, sendo facilita- do ou dificultado nessa integração ao locus da atividade pela qualidades acústicas e lumínicas deste ambiente. Estabelece-se um domínio de conhecimentos de ergonomia ambiental, também podendo ser chamado de ecologia humana.

Trata-se de um grande capítulo da ergonomia e que responde pela maior parte dos traba- lhos e livros até hoje publicados. Exatamente por isso é uma tarefa quase impossível sintetizar este campo. Neste sentido nossa opção é de , neste momento, ilustrar o campo com o esquema global proposto por Grandjean (1977).

Intensidade e dura- ção da atividade física e mental

Componentes

Dores e

Psicossomáticos

doenças

Ambiente

Ritmos

Físico

Biológicos

Nutrição

Fadiga

Recuperação

Figura 6 : O "caldeirão" da Fadiga de Grandjean

Os temas mais freqüentemente estudados pela ergonomia física têm sido: (a) Posturas desfavoráveis (b) Força excessiva demandada (c) Movimentos repetitivos (d) Transporte de car- gas

4.1.2 Utilidade

A utilidade da ergonomia física está na contribuição decisiva que fornece a muitos pro- blemas verificados nos sistemas de trabalho. No campo dos postos de trabalho, problemas antro- pométricos e posturais efetivamente se verificam numa grande quantidade sejam eles industriais, agrícolas ou de serviços. Nos dois primeiros a atividade é em geral agravada pelo fato das tarefas comportarem igualmente uma importante parcela de manuseio de materiais. As contribuições da ergonomia física, nesse aspecto, têm sido muito grande, tanto que o Governo dos EUA acaba de promulgar um vasto programa de ação ergonômica a nível governamental, com uma série de incentivos para as empresas que adotarem programas de ergonomia com uma forte conotação neste campo da ergonomia física12.

No campo ambiental, aqui significando o meio-ambiente de trabalho, a ergonomia tem igualmente grandes contribuições para o agenciamento adequado desses ambientes. A mais im- portante delas está em que ao se colocar as mudanças necessárias a partir de seu ponto de vista -

12

Naturalmente não se trata de altruísmo ou consciência ergonômica pura. Os custos sociais dos distúrbios músculo- esqueléticos pularam, naquele país, de 2,1 bilhões de dólares em 1997 para cerca de seis milhões em fins de 1999. Somadas com as lombalgias e outras disfunções fisiátricas, a conta já ultrapassa os 9 bilhões de dólares. Por outro lado existe o poderoso lobby das seguradoras que vêem aumentar seus custos sem poderem repassá-los aos segu- rados de forma mecânica. Quanto a nós, brasileiros, e guardadas as devidas proporções, nada existe que nos poupe de estarmos diante de um quadro no mínimo análogo ao dos americanos do norte.

GENTE - Grupo de Ergonomia e Novas Tecnologias CESERG - Curso de Especialização Superior em Ergonomia.

Document info
Document views121
Page views121
Page last viewedWed Dec 07 10:54:55 UTC 2016
Pages35
Paragraphs708
Words18686

Comments