X hits on this document

132 views

0 shares

0 downloads

0 comments

18 / 35

Introdução à Ergonomia Página 18 Prof. Mario Cesar Vidal

  • o

    da atividade - e com sua orientação tecnológica - adequação das interfaces , pode prevenir

problemas decorrentes das mudanças apenas parciais e por isso mesmo seus efeitos se situam entre insuficientes e inócuos.

4.1.3 Praticidade

No campo dos postos de trabalho, as especificações da Ergonomia física se orientam para modificações do contexto físico do trabalho que evitem a produção de esforços excessivos ou inadequados como os movimentos repetitivos. Essas especificações colocam como exigência, em geral, reconfigurações do posto de trabalho que irão implicar em mudanças na tecnologia física que muitas vezes podem se tornar inviáveis do ponto de vista financeiro, como, por exemplo, elevar ou abaixar uma plataforma, ou ainda modificar toda uma instalação.

Algumas vezes isso é feito pois a previsão positiva de resultados o permite. Em algumas fábricas da Renault Veículos o automóvel em linha de montagem é rebatido sobre o plano verti- cal de forma a facilitar o acesso do operário para tarefas na parte inferior do mesmo. Em outras situações até mesmo o tipo de fornecimento dos componentes técnicos pode vir a se tornar um entrave. Num estudo para reforma da cabine de uma ponte rolante (Bezerra e col., comunicação pessoal) chegaram a propor uma alternativa de desenho que satisfazia a uma série de requisitos ergonômicos. Isso envolveria o redesenho da console de comando, incluindo a reconcepção do cabeamento inserido dentro de uma carenagem semicilíndrica que se posicionava exatamente entre as pernas do operador. Mesmo o protótipo tendo sido aprovado com sucesso nos testes ex- perimentais, o fabricante da console não aceitou as modificações propostas e o projeto teve de ser ajustado a esse tipo de contrante.

No campo dos ambientes as especificações da ergonomia física desaguam em recomen- dações relativas à higiene - manter o ambiente em um estado que não agrida a integridade do organismo - mesmo do conforto ambiental, buscando as melhores condições possíveis para o desempenho da atividade. Em certos casos o aspecto de eficiência ambiental se torna crucial. Normativamente esse tema vem sendo tratado pelo estabelecimento de padrões ambientais que estabelecem níveis de ruído, temperatura, iluminamento, qualidade do ar e demais aspectos apa- rentemente de fácil normalização. No entanto é enorme a dificuldade de se trabalhar, sob o pris- ma da adequação com limites de tolerância a agentes agressores, já que entre as faixas de con- forto e as faixas de tolerância de um parâmetro ambiental se estabelece uma região de nebulosi- dade: os limites superiores de conforto jamais coincidem com os limites de tolerância. Tomemos

  • o

    exemplo acústico: um limite de tolerância estabelecerá um patamar abaixo qual não existiriam

danos à pessoa. Como sustentar que um local de trabalho com nível de ruído próximo a este li- mite permita o bom desempenho da atividade?

Uma especificação adequada de ambientes físicos, naturalmente terá como balizamentos os padrões ambientais normalizados - que é para que servem as normas - mas procurará enrique- cê-las com considerações ergonômicas relativas à atividade, como no exemplo já citado. Na prá- tica a cooperação entre ergonomistas e higienistas industriais é de inegável interesse para ambas as partes, ganhando com isso tanto a empresa como seus empregados.

Assim sendo a praticidade das especificações de Ergonomia Física, sempre necessária, nem sempre é trivial e automática, decorrente das constatações do diagnóstico ergonômico. Ela vai requerer uma boa combinação de criatividade, argumentação e pertinência da parte do ergo- nomista. Pertinência de tratar problemas existentes e inequívocos; argumentação para conven- cer, sensibilizar e demonstrar as vantagens da proposta; e criatividade para encontrar boas solu- ções, propostas que não resolvam um problema criando outros desconhecidos ou inesperados.

      • 4.1.4

        Aplicações

        • O

          campo da ergonomia física, do ponto de vista de sua aplicabilidade, vai se consubstan-

ciar na realização de especificações relativas ao posto e ao método de trabalho, bem como sobre

  • o

    ambiente.

GENTE - Grupo de Ergonomia e Novas Tecnologias CESERG - Curso de Especialização Superior em Ergonomia.

Document info
Document views132
Page views132
Page last viewedSat Dec 10 12:53:55 UTC 2016
Pages35
Paragraphs708
Words18686

Comments