X hits on this document

268 views

0 shares

0 downloads

0 comments

57 / 94

GUIA DE ESTUDOS PARA O CONCURSO DE ADMISSÃO À CARREIRA DE DIPLOMATA

das críticas do governo Carter à política de direitos humanos brasileira) em meio à calorosa polêmica entre “nacionalistas” e “entreguistas”, que dividiu as Forças Armadas durante o Segundo Governo Vargas (1951-1954). Para os “nacionalistas”, da industrialização brasileira poderiam participar capitais estrangeiros, desde que os setores sensíveis ficassem a cargo do capital nacional, de preferência público. Os “entreguistas” – assim chamados por seus adversários, que os acusavam de querer “entregar” a economia nacional nas mãos de estrangeiros – eram a favor de uma industrialização baseada no capital estrangeiro, corporificado nas multinacionais.

O Acordo Militar de 1952 previa, em troca da ajuda econômica norte-americana ao Brasil, o fornecimento aos EUA de matérias-primas estratégicas e o apoio militar brasileiro à segurança do continente. Desnecessário dizer que o Acordo desagradou profundamente o segmento “nacionalista”, tendo sido também, em parte, responsável pela perda de legitimidade do governo Vargas.

Questão 5

Analise o texto abaixo para responder à questão:

“A América do Sul corresponde ao espaço natural de afirmação dos interesses brasileiros. A diplomacia planeja agregar a este espaço países chaves do Atlântico africano. Com o conjunto, espera-se compor uma plataforma econômica e política, na qual a Argentina exerce papel estratégico como sócio privilegiado e o Mercosul como motor.”

Amado L. Cervo, “A política exterior: de Cardoso a Lula”, Revista Brasileira de Política Internacional, 46(1), 2003, p. 9.

Com base no texto, discuta:

a)

O peso histórico da América do Sul, no século XX, como uma área relevante da política externa do Brasil;

b)

Os momentos de aproximação e eqüidistância entre o Brasil e a Argentina na segunda metade do século XX.

Henri Yves Pinal Carrières (18/20)

a)No decorrer do século XX, a América do Sul concentrou parcela expressiva da atenção e dos esforços da diplomacia brasileira. As primeiras décadas do século foram particularmente tensas, embora o Brasil não se tenha envolvido em nenhum conflito militar. Momento delicado, em especial, o país viveu durante a Guerra do Chaco (1929-1932), que opôs Paraguai e Bolívia. O interesse argentino no Chaco – onde, suspeitava-se, haveria petróleo – incentivou este país a contestar a soberania paraguaia sobre ele. O Brasil se opôs, e o Chaco continuou a pertencer ao Paraguai.

A atuação brasileira não raro causava ressentimento em seus vizinhos. Da Bolívia, por exemplo, partia a crítica freqüente de que perdera o Acre num arroubo imperialista do vizinho gigante. O Chile, por sua vez, rival histórico da Argentina, via com apreensão as tentativas brasileiras de aproximação deste país.

Document info
Document views268
Page views271
Page last viewedThu Dec 08 04:22:41 UTC 2016
Pages94
Paragraphs1332
Words41002

Comments