X hits on this document

PDF document

Porto Alegre, janeiro de 2006 - page 16 / 82

242 views

0 shares

0 downloads

0 comments

16 / 82

Hélio Riche Bandeira, Mestre em Educação, PUCRS * www.padilla.adv.br/desportivo/artesmarciais * p.16

A história do karate perde-se na mais remota antiguidade, surgida no oriente.

Modernamente, na primeira metade deste século, foi sistematizado pelo mestre japonês Gichin Funakoshi e difundido no ocidente após a II Guerra Mundial, através de correntes migratórias japonesas e de intercâmbio cultural. Na década de 50 o karate foi adaptado para competições de kata (forma) e kumite (luta), sendo os golpes mais perigosos proibidos e o contato físico rigorosamente limitado.

Os praticantes de artes marciais, com o passar do tempo de treinamento passam por diversos estágios de desenvolvimento de sua consciência. Esses estágios que evoluem através do físico, do mental e do espiritual, apresentam características comuns com a espiral de consciência humana elaborada por Ken Wilber, a qual encara o desenvolvimento humano como um processo de oito estágios gerais. Esses estágios, segundo Wilber (2003, p. 19), não são níveis rígidos, mas “ondas fluidas, com muitas sobreposições e entrelaçamentos que resultam numa malha ou espiral dinâmica

de desenvolvimento da consciência”. Esta semelhança permitiu-me elaborar uma espiral das artes marciais, no intuito de melhor compreender a força espiritual do karate.

A espiral das artes marciais também apresenta oito níveis de desenvolvimento, sendo os primeiros, assim como na espiral da consciência, voltados para o desenvolvimento do eu individual, e os estágios superiores, voltados para o desenvolvimento do eu coletivo. Todos os indivíduos, como bem lembra Wilber (2003), têm esses estágios potencialmente ao seu alcance, embora muito poucos

Document info
Document views242
Page views242
Page last viewedSat Dec 10 05:41:31 UTC 2016
Pages82
Paragraphs1591
Words42749

Comments