X hits on this document

PDF document

Porto Alegre, janeiro de 2006 - page 73 / 82

208 views

0 shares

0 downloads

0 comments

73 / 82

Hélio Riche Bandeira, Mestre em Educação, PUCRS * www.padilla.adv.br/desportivo/artesmarciais * p.73

Gerhardt (2005, p. 234), nos traz os ensinamentos do Tenzin Gyatso, o décimo quarto Dalai Lama, líder espiritual do Tibete:

Se você quer transformar o mundo, experimente primeiro promover o seu aperfeiçoamento pessoal e realizar inovações no seu próprio interior. Estas atitudes se refletirão em mudanças positivas no seu ambiente familiar. Deste ponto em diante, as mudanças se expandirão em proporções cada vez maiores. Tudo o que fazemos produz efeito, causa

algum impacto.

No karate, através do desenvolvimento do autoconhecimento, é possível ultrapassar a dimensão dos conflitos humanos, principalmente estes interiores ao ser humano, quando encontramos o vazio. Mas devemos lembrar que, segundo Sasaki (1978), vazio não quer dizer insensibilidade ou apatia e sim convivência com todas as “cores” (alegria, ansiedade, ira, adoração, pesar, medo e ódio), sem se escravizar por nenhuma delas.

Depois o pessoal vê que o karate é exatamente interno, mais para ti, é contra você, não é contra

  • o

    mundo, comenta Sanchin lembrando que no karate a luta não é contra os outros, a luta é contra nós

mesmos.

Portanto, quando desenvolvemos o nosso eu interior, o eu espiritual, reconhecemos que existe uma razão específica para nossa presença nesse planeta e que não precisamos enfrentar e competir com nossos semelhantes.

A violência eu acho que diminui um pouco, porque tu ficas com uma consciência um pouco mais aberta. Que tu saber lutar não quer dizer que tu tenhas que lutar e demonstrar violência. Com esta fala Shisochen aponta que para o karateca buscar comportamentos e atitudes contra a violência, fundamentalmente, deve seguir o seu desenvolvimento na espiral da consciência das artes marciais, conforme já abordado no capítulo dois.

Na espiral da consciência das artes marciais o karateca passa por diversos estágios, nos quais desenvolve aspectos corporais, mentais, emocionais e espirituais, para tentar chegar, ao todo, a sintonia plena com o universo, mesmo que este intento seja impossível na forma plena.

Uma consciência ampliada permite, segundo Schaefer (2003), a possibilidade de estabelecer as conexões com o mundo e uns com os outros, o que traz para a vida alegria, significado e desejo de transcender, ir além, atravessar a “zona de conforto”, responsável pela acomodação e pelo imobilismo.

Quanto aos conflitos exteriores ao ser humano pode ser dito, segundo Sasaki (1978), que o verdadeiro propósito do karate é treinar de tal forma que possibilite ao praticante viver de maneira agradável e digna, sem criar problemas a outros, sem temer o forte ou poderoso, sem se humilhar ante

  • o

    homem de influência e sem se tornar cego pelas riquezas terrestres.

Conhecendo melhor o karate a gente percebe que não é só luta, que tem uma essência, toda uma

filosofia de vida, até muito bonita, complementa Saifa.

Se quisermos construir um futuro melhor, em que o ser humano passe a ser mais pacífico, equilibrado e feliz, devemos procurar caminhos de transformação, sobretudo na esfera espiritual. Dentre estes caminhos, encontramos como opção a prática das verdadeiras artes marciais orientais embasadas em seus princípios filosóficos e espirituais.

Document info
Document views208
Page views208
Page last viewedTue Dec 06 18:47:54 UTC 2016
Pages82
Paragraphs1591
Words42749

Comments