X hits on this document

724 views

0 shares

0 downloads

0 comments

176 / 214

Última Canção do Beco Beco que cantei num dístico Cheio de elipses mentais, Beco das minhas tristezas, Das minhas perplexidades (Mas também dos meus amores, Dos meus beijos, dos meus sonhos), Adeus para nunca mais! Vão demolir esta casa. Mas meu quarto vai ficar, Não como forma imperfeita Neste mundo de aparências: Vai ficar na eternidade, Com seus livros, com seus quadros, Intacto, suspenso no ar! Beco de sarças de fogo, De paixões sem amanhãs, Quanta luz mediterrânea No esplendor da adolescência Não recolheu nestas pedras O orvalho das madrugadas, A pureza das manhãs!

Document info
Document views724
Page views724
Page last viewedThu Jan 19 12:03:36 UTC 2017
Pages214
Paragraphs568
Words15987

Comments