X hits on this document

Word document

LexUriServ.do?uri=COM:2003:0773:FIN:PT:DOC - page 224 / 227

592 views

0 shares

0 downloads

0 comments

224 / 227

prossiga em 2004 e 2005. O bom desempenho macroeconómico levou a níveis elevados e sustentados de emprego, com uma taxa de 71,7% (2002) e baixos níveis de desemprego, enquanto que os dados não oficiais da inclusão (de pessoas sem trabalho que querem trabalhar, ou das pessoas que beneficiam dos regimes de emprego assistido ou que trabalham a tempo parcial porque não conseguem arranjar emprego a tempo inteiro) apontam para 4 milhões (Maio de 2003). Não obstante, os números relativamente elevados de agregados familiares sem emprego continuam a causar preocupação, para além de ser muito elevado o número de pessoas sem trabalho que recebem prestações por incapacidade, o equivalente a 7,6% da população activa.

As despesas com a protecção social em 2000 correspondiam a 26,8% do PIB, ligeiramente abaixo da média da UE (27,3%). Todavia, em termos reais, as despesas com a protecção social per capita em 2000 eram 4,7% superiores à média da UE, um aumento significativo relativamente a anos anteriores. No entanto, as desigualdades na distribuição do rendimento persistiam e mantinham-se acima da média da UE em 2001 (4,9 contra 4,4 nos rácios dos quintis de rendimento). Em 2001, a taxa de risco de pobreza (após transferências sociais) baixou para 17% (em 1995 era de 20% e em 2000 de 19%), mas mantém-se acima da média da UE, de 15% (sem transferências sociais o Reino Unido apresentaria 40% contra a média da UE de 39%). A taxa de risco de pobreza persistente para o mesmo ano mantevese nos 10% contra 9% de média na UE. Os indicadores nacionais mostram também uma melhoria da situação no que se refere aos riscos de pobreza e de baixos rendimentos relativos. Por seu lado, o coeficiente de Gini regista um ligeiro aumento. As relações entre os diferenciais de rendimento e o risco de pobreza neste contexto deveriam ser ulteriormente avaliadas.

80.

Avaliação dos progressos realizados desde o PAN Inclusão 2001

O PAN/incl 2003 revela que as críticas dirigidas ao plano anterior foram ouvidas, sendo agora feita referência aos aspectos essenciais da exclusão social e examinado um vasto conjunto de áreas políticas. A abordagem é também agora mais aberta quanto à participação de um vasto conjunto de intervenientes na preparação e no acompanhamento do plano e o reconhecimento de que as pessoas com uma vivência directa da pobreza podem contribuir uma estratégia de combate à pobreza bem sucedida está a começar a transformar a abordagem do Reino Unido.

Para além dos indicadores comuns, o Reino Unido avalia os progressos com base num conjunto de indicadores de terceiro nível. Ainda que os progressos relativamente aos indicadores comuns sejam decepcionantes (embora mais difíceis de avaliar, já que os dados a partir de 2000 ainda não estão disponíveis), em relação aos indicadores nacionais, mais actualizados, os resultados foram bastante positivos, estandose na maioria dos casos a caminhar na direcção certa. Poder-se-á argumentar que esta tendência resulta do bom desempenho global da economia do Reino Unido, porém, o sucesso pode também em parte ser atribuído aos impactos das políticas fiscais e de prestações para combater a pobreza. Convém também ter presente que em relação a algumas medidas recentes poderá ser demasiado cedo para que os progressos se possam reflectir nos dados estatísticos.

Ainda que se possa dizer que houve progressos na redução da pobreza em termos absolutos, a redução da pobreza relativa foi mais lenta. Mesmo se o mercado de trabalho continua com o dinamismo previsto, poderão ser necessárias outras políticas de redistribuição para reduzir as desigualdades.

O combate à pobreza infantil foi identificado enquanto desafio essencial pelo PAN 2001. A erradicação da pobreza infantil até 2020 é um elemento essencial da estratégia do Reino Unido para combater a pobreza e a exclusão social. Os progressos práticos na via do cumprimento das metas quantificadas para 2004/2005 ainda têm de ser avaliados e estão em

224

Document info
Document views592
Page views592
Page last viewedTue Dec 06 09:41:49 UTC 2016
Pages227
Paragraphs2435
Words105696

Comments