X hits on this document

Word document

LexUriServ.do?uri=COM:2003:0773:FIN:PT:DOC - page 71 / 227

549 views

0 shares

0 downloads

0 comments

71 / 227

Associar creches ao ensino primário (Países Baixos)

Em 2001, a municipalidade de Hertogenbosch promoveu a instalação de estruturas de acolhimento pré-escolar em cinco estabelecimentos de ensino. Praticamente todos os estabelecimentos de ensino (cerca de 93%) participaram neste processo através da Associação Stichting Peuterspeelzaalwerk ’s-Hertogenbosch. O objectivo da colaboração administrativa entre estruturas pré-escolares e de ensino básico reside em conseguir estabelecer um percurso contínuo para as crianças dos 0 aos 12 anos, integrado nas estruturas (de ensino) existentes.

Para tal, nos próximos anos, a municipalidade de ’s-Hertogenbosch acomodará fisicamente todas as creches no ensino primário. Até Maio de 2003, esta meta estava já concretizada a 70%. No quadro das regulamentações que regem os programas do ensino pré-escolar (vve), foram também formados aglomerados cooperativos em torno da aplicação desses programas entre as creches e as escolas do ensino primário. Estes aglomerados situam-se em zonas desfavorecidas em virtude de as regulamentações vve se destinarem a crianças deste grupo-alvo entre os 2 e os 5 anos de idade (i.e. creches e dois primeiros anos de pré-escolar). O objectivo mais importante das regulamentações é uma abordagem atempada das desvantagens ou dos atrasos de aprendizagem de que enfermam as crianças nacionais e de minorias étnicas, para prevenir desvantagens (linguísticas) no grupo 3 do ensino primário.

Prevenir as desvantagens educativas no sistema escolar: trabalhar para assegurar a igualdade de oportunidades para todos no sistema de ensino é um tema recorrente, embora as abordagens apresentadas tendam a variar entre realçar a melhoria do carácter universal e inclusivo da provisão existente (Finlândia, França, Suécia) e direccionar essa provisão mais especificamente para grupos particulares, tais como crianças imigrantes e crianças e jovens com dificuldades (Áustria, Alemanha, Dinamarca, Grécia, Espanha, Itália). Foram identificadas várias abordagens:

dar atenção particular à transição entre diferentes fases de escolarização, nomeadamente entre o jardim de infância e a escola primária (França) e da escola para o ensino superior (Finlândia);

acompanhar mais de perto os alunos (Dinamarca) e desenvolver programas de acção mais personalizados para dar resposta às necessidades individuais dos alunos que enfrentam dificuldades (Espanha, Suécia) e proporcionar apoio individual aos alunos em risco de abandonar o ensino (Irlanda);

reforçar os esforços para prevenir a iliteracia entre as crianças (Áustria, Espanha, França, Irlanda, Suécia, Reino Unido). A França, por exemplo, propõe turmas mais pequenas no primeiro ano em estabelecimentos desfavorecidos para dominar a leitura, a escrita e as TIC, bem como testar precocemente e tratar problemas como a dislexia; a formação em leitura deverá prosseguir-se até aos alunos alcançarem o nível secundário, se necessário. Os Países Baixos referem o direccionamento de recursos adicionais para as escolas destinadas a alunos com problemas de aprendizagem, sobretudo de línguas. A Irlanda está a desenvolver uma abordagem proactiva para prevenir dificuldades de literacia. A Suécia, para melhorar a concretização de objectivos no ensino secundário de nível superior, reforça o direito dos alunos a apoios

71

Document info
Document views549
Page views549
Page last viewedSun Dec 04 09:10:10 UTC 2016
Pages227
Paragraphs2435
Words105696

Comments