X hits on this document

Word document

o começo da tarde do dia 10 de maio de 1996, Jon Krakauer alcançou o cume do Everest, ... - page 1 / 128

492 views

0 shares

1 downloads

0 comments

1 / 128

o começo da tarde do dia 10 de maio de 1996, Jon Krakauer alcançou o cume do Everest, a 8848 metros de altitude. Ele não dormia há mais de 56 horas e estava zonzo pela falta de oxigênio. Ao se voltar para começar a longa e perigosa descida, outras vinte pessoas ainda se arrastavam em direção ao topo. Ninguém percebeu que o tempo ameaçava piorar. Seis horas depois, mil metros abaixo e exposto a um vento terrível, Krakauer finalmente chegou a sua barraca e ali se estatelou, congelando, sofrendo alucinações advindas da exaustão e da hipoxia. Mas estava a salvo. Na manhã seguinte ficou sabendo que seis de seus companheiros de escalada não tinham conseguido voltar ao acampamento e tentavam desesperadamente sobreviver debaixo da tempestade. Quando o tempo por fim melhorou, cinco deles estavam mortos, e o sexto tinha as mãos e o rosto quase completamente comprometidos pelo congelamento.

No ar rarefeito é um relato impressionante sobre a temporada mais trágica da história do Everest. Contratado pela revista Outside para fazer uma reportagem a respeito da crescente comercialização da montanha, Krakauer, alpinista experiente, foi ao Himalaia como cliente de Rob Hall, o guia de alta montanha mais respeitado do mundo. Nascido na Nova Zelândia, 35 anos, Hall escalou o Everest quatro vezes entre 1990 e 1995, e nesse período levou 39 pessoas até o topo. Em 1996, subindo a montanha ao lado do grupo de Hall havia uma outra expedição, guiada por Scott Fischer, um americano de torça e determinação lendárias que em 1994 alcançou o pico sem oxigênio suplementar. Mas nem um nem outro sobreviveram à tempestade traiçoeira do dia 10 de maio.

Krakauer conta a história e faz uma reflexão sobre o encanto avassalador que o Everest exerce sobre as pessoas — inclusive ele mesmo —, levando-as a arriscar a vida, a ignorar os temores dos entes queridos e a se aventurar numa tarefa duríssima e caríssima. Escrito com emoção, mas sem perder de vista a objetividade, No ar rarefeito é um depoimento tocante, um livro que se lê de um fôlego só e nos faz pensar no sentido da vida e no poder por vezes terrível dos sonhos.

JON KRAKAUER

NO AR RAREFEITO

Um relato da tragédia no Everest em 1996

Tradução: BETH VIEIRA

3ª edição 5° reimpressão

COMPANHIA Das Letras

Copyright © 1997 by Jon Krakauer

Copyright das ilustrações © 1997 by Randy Rackliff

Copyright do mapa © 1997 by Anita Karl

Título original: Into thin airA personal account of the mt. Everest disaster

Capa: Hélio de Almeida sobre foto de Jon Krakauer (capa) e Carolaine Mackenzie — Woodfin Cam & Associates, Inc. (quarta capa)

Consultoria técnica: Waldemar Niclevicz, autor de Everest, o diário de uma vitória

Preparação: Magnólia Costa

Revisão: Carlos Alberto lnada Isabel Jorge Cury

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (cip) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Krakauer, Jon

No ar rarefeito/JonKrakauer; tradução Beth Vieira. — São Paulo: Companhia das Letras. 1997.

Título original: Into thin air. ISBN85-7164-733-X

1. Krakauer, Jon 2. Monte Everest (China e Nepal) - Alpinismo - Acidentes 3. Monte Everest - Expedições (1996) l. Título.

97-5020

cdd-796.522095496

índice para catálogo sistemático: 1. Monte Everest: China e Nepal: Alpinismo : Acidentes 796.522095496

2000

Todos os direitos desta edição reservados à

EDITORA SCHWARCZ LTDA.

Rua Bandeira Paulista, 702, cj. 32

04532-002 — São Paulo — SP

Document info
Document views492
Page views620
Page last viewedMon Dec 05 10:29:51 UTC 2016
Pages128
Paragraphs1519
Words87495

Comments