X hits on this document

584 views

0 shares

0 downloads

0 comments

55 / 184

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PEREGRINATIO AETHERIAE

revela maior influência dos clássicos pagãos, também não revela maior convívio com os “clássicos” cristãos, alguns contemporâneos da peregrina, como S. Jerônimo e Santo Agostinho. A leitura básica de Etéria é a Bíblia, possivelmente não a Vulgata, mas as versões pré-jeronimianas conhecidas por Vetus Latina, “uma das mais ricas fontes para o conhecimento do latim vulgar” (Elia, 1974, p. 42). É o caso de perguntar se não bastaria falar o só do latim vulgar ou só do latim cristão da Peregrinatio. A resposta dependerá de nosso conceito dessas variantes. Desde já, porém, adiantaremos o serviço dizendo que chegamos à mesma conclusão de Silvio Elia de que “não se deve... identificar sumariamente o latim cristão com o latim vulgar” (ibidem, p. 20), como faz a escola holandesa. Por agora, lembramos apenas um fato já focalizado por Christine Mohrmann ao tratar dos elementos vulgares do latim dos cristãos: as relações entre o latim arcaico e o latim tardio. Muitas palavras e construções encontradas em textos arcaicos que, porém, a língua clássica não acolheu reaparecem nos autores cristãos, “d’abord dans les textes vulgaires, plus tard aussi dans les documents rédigés dans une langue culturelle” (Mohrmann, 1965, III, p. 39). É evidente que tais formas continuaram vivas na comunicação oral, no “latim vulgar”; a literatura oficial num período de exigente ideal artístico não as atesta, mas sua continuidade na língua oral está assegurada pelo seu reingresso na literatura tardia.

São vulgarismos antigos, da velha língua. Mas em formações mais recentes também se observa a tendência

Document info
Document views584
Page views584
Page last viewedSat Dec 10 09:18:08 UTC 2016
Pages184
Paragraphs1442
Words33413

Comments