X hits on this document

Word document

REFLEXÕES SOBRE A NOAS SUS 01/021 - page 18 / 29

77 views

0 shares

0 downloads

0 comments

18 / 29

Um dos indicadores mais potentes para medir a qualidade da atenção primária à saúde é o porcentual de internações hospitalares por condições sensíveis à atenção ambulatorial, um indicador de morbidade hospitalar. Este indicador capta aquelas condições que são internadas desnecessariamente ou que poderiam ser evitadas na presença de uma atenção primária à saúde de qualidade (Billings, Anderson e Newman, 1996).

Estudo feito por Alfradique e Mendes (2002), examinando todas as internações do SUS  no ano de 2001, mostrou que de um total de 12.426.111 internações pagas pelo SUS, 3.405.452 foram por condições sensíveis à atenção ambulatorial.  Assim, nesse ano, as internações por condições sensíveis à atenção ambulatorial significaram 27,4% do total de internações; quando se retiram os partos, que não são condições patológicas, esse porcentual sobe para 33,8%.

Essas internações desnecessárias ou evitáveis custaram ao SUS, em 2001,  1,036 bilhão de reais do total de 6,675 bilhões gastos com internações,  no ano; isso representou um gasto per capita/ano de aproximadamente  R$ 6,00, mais da metade do valor do PAB fixo modal.

Quando se analisam as internações por condições sensíveis à atenção ambulatorial,  por tamanho dos hospitais em que ocorreram, verifica-se uma alta concentração nos hospitais pequenos conforme se vê na Tabela 2.

Tabela 2: Internações por condições sensíveis à atenção ambulatorial (ICSAA) no SUS, por número de leitos dos hospitais de ocorrência da internação e por valores pagos, 2001.

NÚMERO DE LEITOS

% de ICSAA *

% DE RECURSOS PAGOS A ICSAA*

ATÉ 30 LEITOS

55,3

53,7

DE 31 A 50 LEITOS

50,7

49,1

DE 51 A 100 LEITOS

41,0

36,0

DE 101 A 200 LEITOS

29,7

22,3

DE 201 A 300 LEITOS

22,1

15,5

DE 301 A 500 LEITOS

18,1

13,3

DE 501 A 1000 LEITOS

14,5

10,7

MAIS DE 1.000 LEITOS

13,6

10,4

TOTAL

33,8

24,1

Fonte: Mendes (2002b)

                 (*) Internações por condições sensíveis à atenção ambulatorial , excluídos os partos

As internações por condições sensíveis à atenção ambulatorial variam de 55,7% nos hospitais de até 30 leitos, a 50,7% nos hospitais de 31 a 50 leitos, a 41,0% nos hospitais de 51 a 100 leitos, para  alcançar valores inferiores a 15% em hospitais de mais de 500 leitos. Constata-se, então, que somente a partir de hospitais de mais de 100 leitos, os valores encontrados são inferiores à média nacional de 33,8%.

Observa-se que o porcentual de gastos com as internações por condições sensíveis à atenção ambulatorial chega a 55,3% nos hospitais de menos de 30 leitos, a 49,1% nos hospitais de 31 a 50 leitos, a 36,0% nos hospitais de 51 a 100 leitos, caindo para valores de iguais ou menores de 15,5% nos hospitais de mais de 200 leitos.  

A análise dessas informações permite inferir que as internações por condições sensíveis à atenção ambulatorial no Brasil estão determinadas pela conjunção de dois fenômenos.

Document info
Document views77
Page views77
Page last viewedFri Dec 09 13:42:29 UTC 2016
Pages29
Paragraphs350
Words13561

Comments