X hits on this document

153 views

0 shares

0 downloads

0 comments

17 / 51

a hipótese de que o italiano sentiu-se muito atraído pelas inovações encontradas na obra do colega brasileiro: “a orquestração, a nova vocalidade, as longas escalas cromáticas descendentes e soluçantes da voz feminina, após saltos da região central à região aguda ou grave, em inusuais intervalos, o que engendrava fantásticos efeitos dramáticos.”

Isso explicaria as modificações introduzidas por Boito no drama de Victor Hugo, Angelo,Ttyran de Padoue, ao transformá-lo em libreto para Ponchielli: visava, com isso, a aproximá-lo do de Ghislanzoni para Carlos Gomes (a respeito dessas alterações, ver o capítulo sobre Ponchielli). Na opinião de Góes, o Angelo de Hugo “foi completa e maliciosamente modificado em suas partes fundamentais, para que o libreto da ópera de Ponchielli se parecesse com o da Fosca, para que as situações dramáticas fossem semelhantes”. A crer nessa possibilidade, toma também sentido especial a observação de Marcello Conati de que a Cena do Conselho, na Sala della Signoria (ato IV da Fosca), “traz uma certa antecipação, ainda que de caráter meramente ambiental, da cena do Senado genovês, na versão revista do Simon Boccanegra, de 1881”. Levando em conta que foi Boito quem revisou, para Verdi, o libreto original de Piave, nada impede que, nessa passagem, ele tenha se lembrado da forma como essa cena era construída na ópera de Carlos Gomes.

As aproximações entre a Fosca e a Gioconda, diz Marcus Góes, não se restringem apenas ao libreto. Afirmando que Ponchielli “deixou-se levar pela nova vocalidade, pelas novas combinações rítmicas e tímbricas, pelo novo estilo, pelo modo de emprego de leitmotive” que encontrara na Fosca, o autor brasileiro analisa a partitura da Gioconda, tentando demonstrar a presença de traços estilísticos comuns, de maneirismos de escrita ausentes das óperas anteriores de Ponchielli, que ele teria bebido na obra de Carlos Gomes:

“São inúmeros os pontos em que se nota o decalque. O concertato do 3º ato da obra de Ponchielli apresenta nítida semelhança de corte e, até, de melodia, com igual peça do 2º ato de O Guarani; todo o modus da cena e ária de Alvise no 3º ato da Gioconda reflete a mesma cena e ária de baixo no 2º ato do Salvator Rosa; toda a personagem de Barnaba encontra suas origens celulares em Cambro. ‘La figura del tenebroso Cambro sta come immediato e significativo precedente del lugubre Barnaba’, diz Marcello Conati, o qual, raro entre os raros, levanta o véu das semelhanças: além do tema marinheiro e veneziano, que a música reflete – lembremo-nos de Mário de Andrade dizendo que toda a música da Fosca é ‘sobre fundo de água’ –, são trazidas à luz as diferenças dos caracteres de Fosca e de Délia, cujo dueto ‘prelude a quello stesso fra Gioconda e Laura’, e a taxativa semelhança das situações dramáticas, tudo posto em música por um

Document info
Document views153
Page views153
Page last viewedSun Dec 11 10:04:17 UTC 2016
Pages51
Paragraphs319
Words20577

Comments