X hits on this document

94 views

0 shares

0 downloads

0 comments

39 / 40

Sintagmas — Professora Ana Vellasco

Ao examinar mais detalhadamente o SN e o SV, a sua estrutura e a sua função, ocorre a pergunta: E o aluno, como fica? Como trabalhar essas questões tendo em vista o “desligamento” do Marcos, a falta de atenção da Agatha, ou a motivação dessa meninada despertada por concorrentes tão empolgantes à nossa volta? Essa não é uma pergunta fácil de responder e nem poderia ser, uma vez que estamos frente a constatações do tipo: “só aprendemos o que é do nosso interesse” ou “sem motivação não há disponibilidade para o aprendizado”. Apesar de muitas teorias a respeito, na verdade, sabemos que na prática isso acontece mesmo, principalmente em se tratando de adolescentes.

De uns tempos para cá, os livros didáticos têm procurado incentivar os estudantes por meio de ilustrações interessantes; é claro que isso pode ajudar, mas não basta. O aluno precisa descobrir o que há de importante no material ou na “matéria” que lhe está sendo apresentada. E é aí que, no caso do SN e do SV, temos a grande chance de mostrar como um texto se organiza em torno de núcleos, de idéias centrais, inclusive fazendo “ganchos” com o seu dia-a-dia, com os seus assuntos preferidos, a sua leitura do mundo.

Pensando nessas questões, inúmeras atividades de sala de aula podem ser propostas pelo professor, de modo a que o aluno compreenda e exercite a capacidade de criar estruturas mais complexas a partir de estruturas mais simples, reconhecendo a função de cada elemento dentro do conjunto em que ele se insere. Isso possibilitará ao aluno aprimorar a sua produção de textos.

Perceber como um texto se constrói, como os vocábulos se organizam, é uma aventura diante de qualquer texto, seja ele oral ou escrito, literário ou não literário, popular ou culto, específico de uma área ou mais geral. Enfim, qualquer que seja a mensagem compreensível, ela é estruturada na base de seu vocabulário e dos seus sintagmas.

A possibilidade de ampliação dos sintagmas também constitui uma fonte para que o estudante exercite a sua linguagem e vai se refletir na sua produção dos textos. Como vimos, as locuções, as orações substantivas e as orações adjetivas têm a característica de ampliar o SN e o SV; isto pode auxiliar na produção dos textos dos alunos e pode servir para que ele compreenda uma das razões para estudar esse tipo de oração, ou seja, as orações subordinadas.

Bibliografia

AZEREDO, J.Carlos. Iniciação à sintaxe do português. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1990.

BENVENISTE, E. Problemas de lingüística geral. Campinas, Pontes,1989.

CUNHA, C.F. & CINTRA, C. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1985.

D'ÁVILA Suzana. Gramática da língua portuguesa - uso e abuso. São Paulo, Editora do Brasil, 1997.

DUBOIS, J. et alii Dicionário de lingüística. São Paulo, Cultrix, 1978.

DUBOIS-CHARLIER, Françoise. Bases de análise lingüística. Coimbra, Livraria Almedina, 1977.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1986.

GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro, FGV, 1978.

JOTA, Zélio dos Santos. Dicionário de lingüística. Rio de Janeiro, Presença/INL - MEC, 1981.

Document info
Document views94
Page views95
Page last viewedSun Dec 04 01:59:36 UTC 2016
Pages40
Paragraphs1386
Words15238

Comments